Seguidores


Assinantes

Seguidores

Artigos

Comentários

Estatísticas do Blog

A recompensa perdida


A idéia de receber uma recompensa agrada a qualquer pessoa, mas agrada especialmente às crianças. Elas apreciam receber algo em troca dos pequenos serviços prestados. Mas existem pessoas que querem recompensas, sem concluir a tarefa. Para justificar o fato, elas reclamam do calor, da chuva, do Sol, da enormidade do trabalho como razões que os fizeram parar de lutar. Todavia, quando só recebem aquilo a que fizeram jus, se dizem ludibriadas... Exploradas. Deus promete e deseja realmente nos compensar mas espera que antes disso concluamos a tarefa a que nos foi confiada.
Com a instalação de uma indústria, foi enorme o êxodo das auxiliares domésticas, e certa mãe, se vendo assoberbada de afazeres, recorreu à ajuda da filha de dez anos. A família viajaria, aproveitando as férias do pai. Assim, nesse pensamento, nos primeiros dias a garota se esforçou ao máximo; contudo, em menos de uma semana, sem maiores razões, ela, com um simples muxoxo, foi dizendo com muita franqueza e decisão:
- Sabe de uma coisa? Não vou mais ajudar. Não ganho nada com isso...
A mãe não insistiu.
Foi se desdobrando na tentativa de fazer tudo sozinha; mas teve de parar com as costuras. Certa tarde, quando o marido regressava do trabalho, trazendo a filha da escola, assustou-se, vendo a esposa acamada. Chamou o médico, que receitou um prolongado repouso, soro e ainda transfusão de sangue, por causa do esgotamento do organismo.
E disse:
- O trabalho tem sido excessivo e sua esposa tem de repousar mesmo.
- É verdade, doutor. Temos casa com quintal, crianças e ela tem tomado a responsabilidade de tudo absolutamente só - respondeu o marido.
Do quarto contíguo, a menina ouviu tudo e se sentiu culpada. Quase não conseguiu dormir naquela noite, lembrando das palavras do pai ao médico:
"Ela faz tudo sozinha..."
No dia imediato, quando voltou da escola, já esquecida dos fatos, estava cheia de esperanças de ainda realizarem o passeio programado. Entretanto, para tristeza sua, após o jantar, o pai disse:
- Não poderemos mais viajar no seu período de férias, por duas fortes razões: a maior delas é que a mamãe ainda está muito fraca e incapaz de concluir os preparativos para essa viagem. A outra é que o orçamento da família ficou seriamente comprometido por causa da enfermidade de sua mãe.
De fato, isso era verdade. Os gastos com médico foram além do previsto e, com a necessidade de absoluto repouso para a esposa, havia necessidade de despesas extras. Mas foi nesse momento, vendo cair por terra todos os seus sonhos de realizar um passeio mais prolongado, que a menina sentiu mais de perto o coração esmagado por um forte sentimento de culpa.
E já na sua cama, monologando, ela dizia:
- Se eu houvesse permanecido fiel no cumprimento das tarefas que mamãe me confiou, certamente agora estaria recebendo a recompensa do meu esforço e da minha justa e natural participação nas atividades do lar. Mas falhei e a recompensa não podia acontecer...


Autoria desconhecida

Não estamos violando nenhum direito autoral ao publicar esta reflexão, ao contrário, procuramos o(a) autor(a) para lhe dar os devidos créditos

1 comentários:

Bia Hain disse...

Me identifiquei bastante com o texto. Tenho o costume de não pedir ajuda pra ninguém, e minha saúde às vezes fica abalada. É uma pena que ainda existam pessoas como a menina, que só fazem coisas para receber algo em troca, quando na verdade, com solidariedade todos ganham. Um abraço!
www.revoltaeromance.blogspot.com

Postar um comentário